O último disco dos Smiths ou o primeiro disco de Morrissey

Capas de Strangeways, Here We Come e Viva Hate (Fotos: Reprodução)

Aproveitando o ensejo pelo aniversário de 30 anos do lançamento de Strangeways, Here We Come (1987), último álbum da banda inglesa The Smiths, e o recente anúncio do novo trabalho de seu ex-vocalista, Morrissey, depois de um intervalo de 12 anos, cutuco numa velha discussão muito recorrente entre fãs da banda de Manchester e seu vocalista, qual disco é melhor: o último dos Smiths ou o primeiro de Morrissey?

Concluído em meio a um ambiente pesado, conturbado no qual os problemas de relacionamento e divergências artísticas predominavam, Strangeways, Here We Come que apresentava evidentes sinais de desgaste e de uma certa crise criativa, ficava claramente aquém do restante da brilhante discografia dos Smiths. Por outro lado, Morrissey, já insatisfeito com uma série de situações internas, com grande quantidade de material escrito e com ideias próprias florescendo abundantemente, chamava num canto o próprio engenheiro de som da banda da qual ainda fazia parte, Stephen Street, e ainda durante as gravações do disco que encaminhava-se para ser o derradeiro daquele grupo, preparava seu material solo.

O resultado de ambas as empreitadas, uma desgastante e agônica e a outra fresca e vivaz fica evidente em seus produtos finais. “Strangeways…” embora seja o trabalho mais fraco do The Smiths consegue mesmo assim ser um bom disco pop-rock e se não consegue manter a regularidade, a uniformidade de outros momentos que fizeram dos discos anteriores praticamente obras-primas, tem o poder ainda de produzir clássicos e proporcionar alguns grandes momentos musicais. Girlfriend In a Coma e I Won’t Share You poderiam estar em qualquer dos maiores discos da banda, talvez sem roubar o brilho de uma Bighmouth Strikes Again, Girl Afraid ou How Soon Is Now? mas com valor o suficiente para integrar seu repertório; Stop Me If You Think That Yo’ve Heard This One Before, sim, tem algum protagonismo; Death of a Disco Dancer é intensa, angustiante e tem um solo de piano de arrepiar pelas mãos do próprio Moz; mas é Last Night I Dreamt That Somebody Love Me, uma balda irresistível e emocionada, que entrava imediatamente para o rol de grandes canções da banda.

Mas Viva Hate (1988), de Morrissey parecia carregar tudo aquilo que se esperava de um álbum dos Smiths e por isso caía nas graças dos fãs e da crítica logo de cara, inclusive algo que Strangeways, Here We Come não conseguira: dois hits de peso, a belíssima Everyday Is Like Sunday e, em especial, Suedehead, um clássico instantâneo que muitos consideram com ironia “a última grande música dos Smiths”. Stephen Street compensava o fato de não ter um Johnny Marr, com criatividade, um bom time de músicos e uma ótima leitura musical, de modo a, sem parecer uma cópia, não se distanciar da linguagem que consagrara o cantor até então. Assim, Morrissey ressurgia tão ácido, mordaz, romântico e impetuoso quanto nos melhores momentos do passado e entregava-nos um disco impecável, irretocável da primeira à última. Desde a ordem das faixas, abrindo com a agressividade de Alsatian Cousin, fazendo uma transição sem deixar tempo pra respirar, para a batida insistente de Little Man, What Now?, até culminar gloriosamente numa guilhotina descendo sobre o pescoço de Margareth Tatcher; passando pelas letras inspiradas; por arranjos precisos e interpretações emocionantes; Viva Hate acertava em cheio e deixava até nos fãs mais ferrenhos, nos mais religiosos a incômoda sensação que lhes perturbava como se fosse uma traição mas que era forçoso admitir, de que, sim, o primeiro álbum de Morrissey era verdadeiramente melhor do que o último do The Smiths.

*Clayton Reis é arquiteto, cartunista e escritor. Natural de Porto Alegre/RS, reside no Rio de Janeiro/RJ. Comanda o Clyblog, blog de música, cinema, artes e literatura. Tem uma crônica publicada na antologia Colorados – nada vai nos separar, e contos nos coletivos: OMMCQC II – Os matadores mais cruéis que conheci – vol. II, Big Buka – para Charles Bukowski, Conte uma Canção – vol. 2 e Post Mortem – vol. 1.

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s